Sem categoria

Resíduos mal separados :(

25 Julho, 2019

Porque será que sinto necessidade de trazer comigo todo o lixo que sou obrigado a produzir fruto do meu consumo? Porque será que cada vez sinto menos confiança no destino que dão às embalagens que faço?

Esta semana estou de férias do meu emprego das 9h às 17h 😊. E, como tal, com mais disponibilidade para andar a «lourear» a pevide com os meus descendentes pelas praias do distrito. Trabalho mais à noite e enquanto a mais pequena dorme a sua sesta. Mas preciso mesmo de os mimar e passar todo o tempo do mundo com eles. Eles querem zonas com muita areia e com pouca gente pois, como diz a minha amiga Matilde: «Eu gosto de pessoas mas não gosto de gente», e é bem verdade! Que fobia de locais onde tenha muita gente, cruzes! Eles querem jogar à bola e isso de facto com gente na praia é péssimo para mim pois farto-me de os chamar a atenção para não incomodarem os outros. Passando este pormenor à parte, vamos aquilo que interessa e o motivo deste artigo aqui no blog. A quantidade lixo que é produzido durante um dia numa determinada zona da praia deve ser assustadora. Claro que varia muito dependendo do número de pessoas que a frequentam mas, em regra geral, no verão deve ser em muita quantidade. As pessoas gostam de levar os alimentos bem embrulhados, chiça (muito papel de alumínio e guardanapos); muitos pacotes de sumos e outras bebidas em lata, enfim, de facto deve ser muito lixo. Ontem, no final da tarde, quando estávamos já no paredão a limpar a areia dos pés para calçar as sapatilhas, o meu filho Salvador vê um senhor a trazer os sacos com as cores azuis (depreende-se que seria para colocar o papel/cartão) da recolha dos ecopontos que estão distribuídos pela praia. Seriam perto das 20h e o senhor responsável pela limpeza foi recolher e substituir por outros sacos para o dia seguinte. As imagens dos sacos azuis são as que mostro na imagem acima. Além de nada estar devidamente colocado no saco respetivo, claro que estava tudo mal separado. Como também é óbvio estes sacos foram colocados ao lado de uns sacos pretos do lixo comum de um bar/restaurante ali mesmo pertinho e foram recolhidos, tempos mais tarde, pelo camião de recolha normal (ou seja, lixo comum) daquela zona.

Claro que os resíduos estavam mal separados e colocados no saco errado! Claro que as pessoas são de uma formação e consciência cívica deprimente e preguiçosa como tudo! Claro que o senhor que fez a recolha dos sacos naquele troço de praia era o menos culpado! OU será que poderia ter dado uma ajuda e ter separado os materiais não conformes? Será que as pessoas precisam novamente de uma publicidade forte e perceberem que até os macacos sabem fazer a separação correta do lixo? Julgo que sim.

Já em tempo escrevi aqui um artigo e gostaria de o voltar a recuperar mas não o consigo fazer agora. Mas, o que é importante e que na altura já mencionei, é mesmo o facto de cada vez mais me apetecer trazer os resíduos que tenho que produzir, fruto das circunstâncias e do local onde estou, para casa. No local onde jantamos nessa noite tivemos que pedir uma garrafa de água. Adoro restaurantes e outros locais onde servem a água em garrafas de vidro com tara/vasilhame. Sei que as vão retornar e aquelas garrafas dias mais tarde estão novamente com água num outro local 😊. Por outro lado, para além de já não ter água nos meus cantis que levei durante a tarde, não me parece correto não pedir bebida à refeição do restaurante pois o proprietário pode levar a mal. Este restaurante não pensa assim e a garrafa era de plástico Adiante…… no final, enquanto o Filipe foi pagar, meti a garrafa de plástico, já sem água e trouxe comigo na mochila das coisas da petiza. Aqui onde moro, e não soubesse eu do que estou a falar, tenho a certeza que todas as embalagens usadas que são colocadas nos ecopontos são devidamente encaminhadas para as estações de triagem para seguirem a valorização correta.

Pode parecer estranho mas prezo muito a que, quando não se consegue fugir à prevenção do próprio resíduo e este tem mesmo que ser feito, que pelo menos se consiga encaminhar os resíduos para o local correto, ou seja, o da reciclagem.

Posto isto, a partir de agora o lixo andará sempre atrás de mim! Só o largo quando souber que ele vai ser encaminhado para um local onde se transformará em algo novo.

 

Keep in touch,

E.R.

 

Artigos relacionados

Sem Comentários

Deixe um comentário