Get To Know

Já pararam para pensar….

17 Dezembro, 2019

Hello!

Já todos sabem que passei a detestar o Natal, certo? Já o disse aqui, neste artigo e mantenho de facto a minha «tese». Acho toda esta época rodeada de uma hipocrisia tal que não tenho melhor explicação do que esta. Nem o facto de ter três filhos pequenos, que ainda acreditam no Pai Natal, me fez pensar de outra forma. Aliás, acreditem, são mesmo eles que salvam o meu Natal.

Nem sempre foi assim. Houve tempos em que amava o Natal. Era miúda. Sabia que queria prendas e também sabia que queria muitas. Aliás, se tivesse bombons de presente eu contava cada um desses bombons para poder dizer na escola que tinha tido muitos presentes, e de preferência sempre mais do que outros todos. Enfim, era miúda, inocente, e no fundo também gostava de mentir 🙂 :).

Nos tempos que correm gosto que os meus filhos gostem do Natal. Gosto que eles vivam esta altura natalícia com tudo aquilo que merecem e que lhes posso dar mas sem exageros. O meu presente é o presente do Pai Natal (só um) e justifico que as outras pessoas que lhes dão presentes também, nomeadamente os avós e tios, só o fazem porque gostam muito deles e também gostam de fazer de pai natal para os ver felizes. Se fico com o coração apertadinho quando me dizem que os amigos deles tiveram muitos e muitos presentes, claro que sim. Mas de imediato riposto com a contra argumentação de que não irão brincar com metade daquilo que tiveram e que o ambiente ficou triste com tanta coisa de plástico que tiveram… sim, porque roupa no natal não é prenda de criança.

Já pararam para pensar no quanto esta época se assemelha a uma Black Friday marcarada de amor e harmonia. Tudo bem, os mais fragilizados irão dizer que nem todos pensam assim mas, o que é facto, é que a correria para umas prendas antecipadas ou até mesmo de última hora vai ser feita por quase toda a gente. Tudo isto para justificar o consumismo desenfreado que existe nesta época de Natal ( e que é provocado em parte pelo comércio que aproveita para aumentar as suas vendas) e que os principais valores que devem ser incutidos nas crianças são sempre passados para terceiro plano. Sim, porque os presentes de Natal não são precisos para demonstrarmos o amor pelas pessoas nem para mostrar que nos lembramos delas. Na realidade o marketing que nos é mostrado pela televisão todos os dias é muito intenso nesta altura do ano. Mas não existe data combinada para demonstrarmos o carinho pelas pessoas.

Se a tradição passa por receber-se uma prenda do Pai Natal, porque raio é que vejo as minhas amigas com uma lista infindável de coisas para comprarem para todos lá de casa, e para casa da sogra onde vai passar o dia 24 de dezembro, e para o dia 25 que vai passar em casa da mãe, etc etc. Porque será que precisamos de prendas para simbolizar que gostamos das pessoas e que nos lembramos delas com carinho?

P.s. Se me virem entrar em alguma loja nesta altura do ano para comprar alguma coisa p.f. espanquem-me pois devo estar mesmo muito maluco. O meu Burnout também não me deixaria fazer tamanha loucura….  cruzes!

Depois deste artigo nada de me insultarem se não concordarem com o meu ponto de vista… afinal de contas é Natal e devemos ser todos queridinhos e fofinhos uns com os outros.

Para ti que me ligaste hoje depois de quase um mês sem estarmos juntas, tenho a dizer-te que me fazes um bem tremendo. I love you 🙂

 

 

Artigos relacionados

Sem Comentários

Deixe um comentário