Get To Know

A perseguição dos sacos plásticos!

27 Junho, 2017
guardar-na-geladeira5-768x584

Hello!

Todos nós achamos que não conseguimos viver sem os sacos plásticos. Até começarmos a tentar perceber até que ponto eles são assim tão importantes na nossa vida, isto em termos de utilidade. Claro que a sua descoberta foi um marco muito histórico na vida de todos nós mas, julgo ter chegado a altura de percebermos se somos assim tão dependentes deste utensílio.

No meu dia a dia de desmame de sacos plásticos, e principalmente nas situações em que tenho que lidar com as outras pessoas e depender delas para alguma coisa, torna-se um pouco mais complicado. Já aconteceu por duas vezes, no supermercado Pingo Doce, distrair-me um bocado e colocarem as coisas que ponho em cima do tapete rolante dentro de sacos pequenos e transparentes. Será que pensam que me esqueci? Será que julgam que não sabia onde «pairavam» os sacos plásticos? Ou então que estavam esgotados e ela (a menina da caixa) foi a minha salvadora e cedeu-me, gentilmente, um dos dela?

Não, nada disso! Fazem aquilo porque é algo já muito intrínseco ao comportamento delas e estão formatadas para isso mesmo. E, se já viram alguém fazer, é porque se deve fazer assim.

A primeira situação foi com uns pimentos que comprei e não os coloquei em sacos plásticos. Coloquei-os assim mesmo, a granel, em cima do tapete. A menina vai e «PUMBA» bora lá meter num saco de plástico enquanto eu me distraía com um dos filhos que estava comigo. Lá lhe disse que não queria e que tinha colocado assim o pimento por mera opção, pois era contra os sacos plásticos. Como vi que a conversa não lhe estava a criar qualquer curiosidade, fiquei-me só por esta explicação. Senão, tínhamos pano para mangas… ihihi

A segunda situação aconteceu ontem à noite quando estava comprar acendalhas (ainda por cima acendalhas amigas do ambiente, sem qualquer recurso a recursos não renováveis), e a menina «pumba» volta a meter a caixa dentro de um saco de plástico. Aqui, também estava distraída mas não tanto, e por isso, enchi o peito de ar e disse-lhe para retirar aquilo do saco pois eu não precisava. Ela olhou para mim e de facto lá fez o que lhe pedi. Eis que, qual o meu espanto, amarrota o saco de plástico e «pumba» saco no caixote do lixo mesmo debaixo dos pés dela.

Fiquei perplexa e, burra, calei-me. Ao menos, se eu tivesse trazido o saco para casa, tinha a certeza que o colocaria no ecoponto amarelo.

Haja paciência para tanto desperdício.

Cheira-me que vou ter que enviar um email para o diretor de loja e informar que estou disponível para dar uma pequena formação às caixas de supermercado.

E voces? Histórias destas para contar? Ou corre tudo bem com vocês?

Keep in touch,

E.R.

 

Artigos relacionados

Sem Comentários

Deixe um comentário