Get To Know

Estamos de volta!

14 Abril, 2018

Hello!

Quase dois meses depois do meu ultimo artigo (pelo menos inteiramente escrito por mim), torna-se imperativo regressar. Que saudades de escrever aqui e com vontade de poder continuar a mostrar que podemos e devemos, no nosso dia a dia, ser cada vez mais amigos do ambiente. Tenho continuado a escrever para o jornal «Verdadeiro Olhar» na rúbrica quinzenal, mas sentia que me faltava esta ligação com o blog que este mês faz dois anos. Dois anos, como o tempo passa rápido!

Neste entretanto, e para quem me segue desde sempre, prometo que regresso com toda a força e com imensa vontade de vos contar o que fui fazendo nesta ausência prolongada, mas necessária para poder restabelecer as minhas energias. A minha bebé Filipa está cada vez mais bonita e forte. Nestes dois meses temos estado sempre juntas e, se por ventura nos separamos fisicamente, essa separação nunca foi superior a duas horas. Estou a amamentar, aliás como aconteceu com os irmãos, e para quem já passou por isso sabe que nesse aspeto eles ficam muito mais dependentes da nossa presença pois ninguém nos substitui. Muitas das vezes projetei a minha vida após o nascimento do 3.º filho e pensei ser mais alarmante do que está a ser. Não sei, acredito que a partir do 2.º filho tudo se faça com muito mais naturalidade e sem stress causado pela azáfama do dia a dia. Os finais de dia são sempre mais caóticos, claro está com a chegada dos miúdos do colégio, banhos para tomar, trabalhos de casa do filho mais velho para supervisionar, miminhos para o filho do meio a duplicar, jantar para terminar, conversas com maridão para cuscar, enfim…. tudo aquilo que faz parte e que qualquer família com muito amor para dar faz com naturalidade. Com este tempo de frio e de chuva que teima em continuar, as minhas saídas à rua são muito mais limitadas e planeadas mas nem por isso deixo de estar e sentir satisfeita com este tempo que tenho para a minha cria. Um tempo de amor e de dedicação plena (embora dividida com muitas outras tarefas) mas não deixa de ser pela causa da maternidade e isso deve-se em exclusivo a este bebé, imensamente planeado e amado por todos cá em casa. Os manos adoram a petiza, não a podem ouvir chorar que querem ajudar a acalmar e, salvo raríssimas exceções, a coisa sempre foi muito fácil de apaziguar. Muito difícil ouvirmos a miúda chorar sem ser pelos motivos óbvios como fome, desconforto da fralda ou sono. A experiência do terceiro filho ajuda a resolver as coisas com muito mais naturalidade e, verdade seja dita, a miúda e uma fofa e linda de morrer.

 

Os meus dias são ocupados a tratar dela e na gestão da empresa de contabilidade que temos. Nunca tenho tempos mortos e ando sempre a mil, mesmo havendo dias e dias que não punha um pé fora da porta. O Filipe não tirou a licença de paternidade seguida e como tal assegurou durante muito tempo as viagens de ida e regresso dos miúdos ao colégio o que foi crucial para mim nesta fase. O estacionamento perto do colégio é péssimo e com o João ainda pequeno não posso «parir» a criança na porta e esperar que ele vá parar à sala num ápice. É sempre necessário estacionar, dar mimos, colocar mochila, vestir bata, colocar mochila no cabide, etc etc etc, e com a menina pequenina era coisa para demorar mais de 1 hora ihihi. Assim sendo, fui poupada desta tarefa que tanto adorava fazer durante muitos dias o que fez com que me pudesse recompor em condições físicas ditas normais e só tenho que agradecer ao maridão por essa logística toda. Levantei-me sempre às 7h da manhã para os preparar e ajudar pois o colégio inicia às 8:30h e não quisemos alterar as rotinas dos miúdos pelo facto de haver mais um membro cá em casa.

Dois meses após o nascimento da Filipa, vejo outro projeto nascer nas minhas mãos e estou extasiada com ele. Muita responsabilidade e muita ponderação da nossa parte (trata-se de uma sociedade) pois existem muitos recursos humanos e financeiros envolvidos e darei o meu melhor para o levar a bom porto e fazer crescer como foi planeado. O projeto é numa área que nada tem que ver com o ambiente, tem sim que ver com gestão e está a ser um desafio extenuante mas muito aliciante. Estamos todos muito empolgados, cada um com a sua área previamente definida mas igualmente com alma e coração no projeto. O Filipe também está comigo e temos dito que só mesmo nós para estarmos neste projeto tão grande com um filho tão pequeno nos braços. Sem ele as coisas não seriam a mesma coisa! 🙂

Tenho muitos apontamentos sobre temas que fui vivenciando neste tempo e que aos poucos vou escrevendo para vos colocar a par. O próximo artigo será sobre a não aceitação do meu saco de pano para colocarem o pão que estava a comprar… rssrsrsrsrsrs 🙁

nota: Ah! Já me esquecia. No Domingo passado o Salvador fez a primeira comunhão. A foto deste artigo é desse dia. Ele estava um autêntico homenzinho. Tão lindo e tão fofo e com um dia inteiramente dedicado a ele. Estão a ver onde gastei o meu tempo! Também disponibilizei as minhas energias (e merecidas) na organização deste dia. Como o tempo estava de chuva não pudemos fazer o almoço no nosso jardim, e fomos para a Casa Doroteia que é um espaço de eventos de uns amigos nossos. Estava tudo maravilhoso. O espaço é fenomenal e super acolhedor para eventos de pequena dimensão e torna-se fantástico. Parecia que estávamos em nossa casa, com a vantagem de que não temos que ser nós a cozinhar nem a arrumar a mesa. ihihih

vejam Fotos desse dia aqui:

Posto isto, até breve!

Keep in touch,

E.R.

 

Artigos relacionados

Sem Comentários

Deixe um comentário